Conexão Bairros e Comunidades São Paulo

Pontes

Foto de Susana de Souza Veja todos os posts de Susana de Souza Pontes

Cidades partidas precisam de pontes. Pontes que passem por cima dos muros criados pela desigualdade. Pontes que conectem os cidadãos. Pontes que tragam para as comunidades desassistidas o poder público e a dignidade. No Grupo Mulheres do Brasil, temos muitas dessas pontes. Cada mulher traz sua história, e assim cada vez mais nos pluralizamos e crescemos.

Em São Paulo, onde fica a nossa sede, a comunidade de Paraisópolis trabalha para ser conhecida e reconhecida. Sonha em ser bairro, em contar com o que o poder público deveria prover. Elizandra Cerqueira e Rejane dos Santos, do Comitê Conexão Bairros e Comunidades, são responsáveis por alguns projetos muito bem sucedidos por lá. Elizandra está à frente do premiado Mãos de Maria, como contamos no post Paraisópolis.

À frente Rejane, seguida de Elizandra, em evento em Paraisópolis – Foto: Divulgação

Rejane e outros jovens da comunidade despertaram para o ativismo social no Grêmio Estudantil da Escola Estadual Etelvina de Góes Marcucci, criado em 2002 com a missão de unir e movimentar os estudantes para a discussão de seus direitos, apoiar os professores nas ações propostas dentro da escola e debater assuntos sobre a comunidade. O Grêmio gerou muitos frutos e o trabalho que começou na escola se espalhou pela comunidade de Paraisópolis. Aqueles jovens do grêmio hoje trabalham na União de Moradores e Comércio. Realizaram, entre muitas outras ações, o maior projeto de urbanização de favelas da America latina.

Rejane e Elizandra estão entre as pioneiras do Grupo Mulheres do Brasil. Rejane diz que o Grupo tem cumprido um papel transformador para o país, por unir mulheres de todas as classes sociais e apoiar bandeiras de fortalecimento das mulheres na sociedade.

Rejane à frente de mais um evento levando informação à sua comunidade – Foto; Divulgação

“Ter Paraisópolis participando do grupo Mulheres do Brasil, desde sua fundação, é algo muito importante, pois  mostra que o grupo sempre esteve preocupado em ter representações de todos os segmentos independente de classe social.  E o grupo tem apoiado várias de nossas ações e potencializado o nosso trabalho na comunidade”, conclui Rejane.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *