Brasília Inserção de Refugiados

Moda africana recebe apoio em Brasília

Foto de Susana de Souza Veja todos os posts de Susana de Souza Moda africana recebe apoio em Brasília

Grupo Mulheres do Brasil Núcleo Brasília e Venâncio Shopping alavancam talento para moda produzida por refugiados africanos.

Moda, alegria, solidariedade e colaboração marcaram o evento Égalité, que mostrou, em ação social realizada no Venâncio Shopping, a moda de qualidade produzida por empreendedores africanos refugiados em Brasília. De origem de países como Guiné-Bissau, Togo, Costa do Marfim, Congo e Gana, Isabel Da Costa e Saturnina da Costa, Akou Avogtnon e Rose Somyalo Pissang, Dja Franck Lagbre, Lucie Atumesa Nsimba e Gladys Edem encantaram com sua arte para o estilismo, costura e bordado em um desfile assistido por mais de 300 pessoas, no dia 28 de junho. Após a performance, os presentes foram convidados a participar da inauguração da loja colaborativa Égalité, localizada no 1º piso do shopping.

Janete Vaz discursa na abertura do evento – Foto: www.lobofoto.com.br

A ação foi uma iniciativa do Grupo Mulheres do Brasil Núcleo Brasília, liderado pela empresária Janete Vaz e pelas executivas Samara Braga, Glória Guimarães e Ilda Peliz. “Foi emocionante para o Grupo Mulheres do Brasil promover uma conexão tão saudável entre culturas tão diferentes. Foi um trabalho conjunto de vários comitês: Refugiados, Social, Empreendedorismo e Cultura. Todas unidas em um projeto concreto e com foco na viabilidade e sustentabilidade. Foi um ato de dar aos refugiados africanos “a vara para pescar”. Não é só a promoção de um espaço, mas metodologias e processos. Tudo para que eles possam dar continuidade”, disse Janete Vaz.

Foto: www.lobofoto.com.br

O projeto surgiu a partir do Comitê de Inserção de Refugiados do Grupo Mulheres do Brasil, que tem à frente Mônica Alvares e Cesira Jardim. Mônica desenvolveu o projeto e apresentou às demais integrantes do grupo como Nágela Maria, Ivonice Campos e Cesira Jardim que se comprometeram em alavancar o talento dos africanos para a moda. O Venâncio Shopping abraçou a ideia, oferecendo uma loja para a comercialização da produção deles e também apoiando a realização do evento.

A loja é uma cessão isenta de custos com aluguel e condomínio pelos próximos seis meses. “Este projeto tem sido marcado pelo sucesso e vem encontrando tantas portas abertas. Que no futuro próximo essa iniciativa possa se multiplicar alcançando mais refugiados e imigrantes e possibilitando sua inclusão na sociedade por meio do empreendedorismo”, afirmou Mônica.

Foto: www.lobofoto.com.br

“Acreditamos que temos a missão social de acolher, incentivar e apoiar o empreendedorismo, sem discriminação. A economia criativa também encontra aqui no Venâncio, espaço para se desenvolver”, disse João Marcos Mesquita, superintendente do Venâncio Shopping.

“É muito importante dar a oportunidade a essas pessoas de um recomeço. Ninguém saiu do seu país porque quis. Acolher faz parte do propósito de uma empresa que revela estar conectada com o dia a dia das pessoas. Então a gente acolhe, porque ‘o meu país é a terra, o meu país somos todos nós’”, completou Ana Rodrigues, gerente de marketing do shopping.

Foto: www.lobofoto.com.br

Ao cair da tarde, o evento teve início com performance das jovens Emmanuella Edem e Salomey Otori, que apresentaram ao público uma dança típica de Gana. Em seguida, sob a produção da Scouting Agência de Modelos, o desfile apresentou cerca de 40 looks assinados pelos africanos para homens e mulheres, inclusive plus size. A concepção e confecção das peças aconteceu sob a supervisão e consultoria das estilistas e empresárias Nágela Maria e Andréa Monteiro, de Brasília. Coube a elas adaptar para o mercado consumidor brasileiro a inventividade, exuberância e colorido característicos do estilo africano, valorizando a identidade de cada um desses artistas da moda.

Performance das jovens Emmanuella Edem e Salomey Otori – Foto:www.lobofoto.com.br

A inciativa também contou com o apoio de La Porta Buffet, Ânfora Importadora, Levvo Instituto e IMDH.

Texto: Charlote Vilela, Grupo Mulheres do Brasil Núcleo Brasília

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.